OEI participa de seminário internacional sobre atenção à criança e ao adolescente migrante
OEI participa de seminário internacional sobre atenção à criança e ao adolescente migrante

OEI participa de seminário internacional sobre atenção à criança e ao adolescente migrante

OEI. 14/09/2018
Tamanho do texto+-

Jhosep Navarro e Jesus Daniel, ambos de 14 anos, e Dewy Salazar e Mileidys Arzola, ambos de 13 anos, levam uma vida como todo adolescente. Têm amigos na rua onde moram e na escola onde estudam. A diferença é que não tiveram escolha. A família dos quatro adolescentes trocou a Venezuela pelo Brasil em busca de uma vida melhor. Nesta sexta-feira, 14, os jovens estão em Brasília. A convite da Organização dos Estados Ibero-americanos (OEI) vieram participar de discussão sobre formas de acolhimento para minimizar o impacto da migração a crianças e adolescentes.

O cenário e impacto da migração foi tema do Seminário Internacional Crianças e Adolescentes Migrantes, realizado hoje pelo Ministério dos Direitos Humanos (MDH). O objetivo do evento foi debater a questão, além de levantar boas práticas na proteção dos direitos dessa população. “Uma questão humanitária decorrente da migração forçada por motivos de sobrevivência. Temos de garantir o acesso à educação, ao aprendizado da língua portuguesa e à toda rede de proteção social”, avalia o secretário Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente do MDH, Luís Carlos Martins Alves.

Para somar esforços junto ao Governo Federal e às instituições brasileiras de amparo aos migrantes, a OEI esteve presente no evento. “Trazê-los para o seminário é dar voz a eles, sujeitos de direito para falar como fonte primária para enriquecer o debate”, ressaltou o coordenador de cooperação técnica da Organização, Leonardo Serikawa.

A migração está no radar da Organização enquanto questão de direitos humanos e educação. Esta é uma das prioridades do atual Secretário-Geral da OEI, Mariano Jaboneiro, para os próximos quatro anos à frente da Organização. O tema também será tratado pela OEI na XXVI Conferência Ibero-americana de Educação, que acontecerá no dia 27 de setembro na Guatemala e reunirá ministros de educação da região. “A expectativa é que dessa reunião saiam propostas que, posteriormente, serão apresentadas ao MDH”, adiantou Leonardo.

Enquanto organização bilíngue, a OEI pretende trabalhar também a educação em espanhol e o português na região de fronteira do Brasil. A familiarização de brasileiros e estrangeiros com as duas línguas, além de ajudar a superar a situação de vulnerabilidade territorial, pode ser uma forma de cidadania. O entendimento contribui para a resolução de conflitos e, principalmente, acolhimento de jovens e crianças.