OEI oferece acesso gratuito a recursos educacionais e culturais a administrações públicas, professores, estudantes e famílias

OEI oferece acesso gratuito a recursos educacionais e culturais a administrações públicas, professores, estudantes e famílias

OEI. 26/03/2020
Tamanho do texto+-

A Organização dos Estados Ibero-americanos para a Educação, Ciência e Cultura (OEI) concede acesso livre e gratuito a administrações educacionais, professores, famílias e estudantes a diversos conteúdos educacionais e culturais (acesse aqui).

São recursos educacionais criados por especialistas em educação da OEI, às vezes em colaboração com outros especialistas e entidades. Entre eles estão, por exemplo, o filme e o caderno de cinema de Bienvenidos, do diretor espanhol Javier Fesser, premiados com mais de 50 prêmios internacionais, que contam a história de dois irmãos e sua jornada de três horas para a escola em o coração dos Andes peruanos, dentro do projeto Luces para Aprender da OEI. Também estão disponíveis, entre outros, guias de ensino de matemática ou propostas para trabalhos em expressão musical ou artes plásticas.

#LaOEIcontigo - A iniciativa faz parte da campanha #LaOEIcontigo, que tenta minimizar as consequências negativas da suspensão do calendário acadêmico devido à crise do coronavírus.

Nas palavras do Secretário-Geral da Organização dos Estados Ibero-Americanos, Mariano Jabonero, "a atividade da OEI terá como objetivo dar continuidade à nossa ação cooperativa com a Ibero-América, como fazemos há 70 anos. Em primeiro lugar, monitorando e relatando a evolução da crise e, ao mesmo tempo, promovendo ações de natureza educacional e cultural que servem para aliviar ou compensar os efeitos educacionais e culturais derivados da pandemia. Em resumo, da nossa organização, estamos comprometidos em fornecer respostas concretas para ajudar a resolver os problemas reais que a pandemia nos impôs e tornar possível que ninguém seja deixado para trás."

Propostas como a da OEI, além de rádio, televisão, redes sociais e plataformas de ensino on-line ou virtuais, são as principais ferramentas que os alunos têm atualmente para enfrentar o desafio de continuar seus estudos. Nesse sentido, a OEI começou a monitorar e analisar o impacto do coronavírus na educação, ciência e cultura da região, com base em estatísticas e dados oficiais de todos os países. Toda a informação está disponível no site da OEI.

“Nos momentos em que os direitos fundamentais são limitados, como a livre circulação ou o direito de reunião, devemos apoiar o comportamento exemplar que a maioria dos cidadãos está transmitindo: aplausos de solidariedade, pequenos gestos heroicos, sorrisos - distanciados à força - são atitudes que nos encorajam a unir forças com organizações como a OEI para promover apoio concreto a milhões de crianças que confiaram que a escola era uma parte essencial do seu futuro e que hoje estão fora dela. E para nos ajudar a, juntos, pensar em um mundo pós-crise que, com toda a certeza, será muito diferente do atual”, afirmou Mariano Jabonero.

Estima-se que nos 23 países da comunidade ibero-americana membros da OEI existem 14 milhões de crianças em etapa infantil de ensino que tiveram suas aulas interrompidas, 46 milhões no ensino fundamental, 44 milhões no ensino médio e mais de 18 milhões de estudantes universitários. No total, mais de 122 milhões de alunos foram afetados na Ibero-América.