Mobilidade acadêmica da OEI traz universitários do México para estudar no Goiás

Mobilidade acadêmica da OEI traz universitários do México para estudar no Goiás

OEI. 11/03/2020
Tamanho do texto+-

Esta semana, 20 universitários mexicanos desembarcam em Goiânia (GO). O grupo, formado por futuros professores, vai passar dois meses estudando na Universidade Federal de Goiás (UFG) para conhecer mais sobre a cultura e a educação brasileira. Os estudantes fazem parte de Programa de Mobilidade da Organização dos Estados Ibero-americanos (OEI). A iniciativa, voltada para alunos de cursos de licenciatura, funciona por adesão das instituições de ensino superior.

A OEI promove a experiência acadêmica internacional com foco na formação de professores para tornar mais acessível a mobilidade estudantil a quem decidiu ser docente. “O Programa da OEI inova ao incluir as licenciaturas nos processos de internacionalização da educação superior. Permite que futuros docentes da educação básica, especial e técnico-profissional, assim como outras áreas do conhecimento, também tenham em seus currículos um diferencial de formação, com uma experiência internacional”, observa o diretor e chefe da representação da OEI no Brasil, Raphael Callou.

A fase piloto do programa foi em 2016. Na ocasião o Brasil recebeu oito mexicanos que cursaram disciplinas nas universidades federais do Amazonas (UFAM) e da Grande Dourados (UFGD). No ano passado, seis brasileiros foram contemplados com a mobilidade para universidades de países da região ibero-americana, enquanto 14 estrangeiros escolheram instituições do Brasil para aprimorar suas formações docentes.

“Quando a OEI incentiva a mobilidade internacional está defendendo e procurando trazer para dentro da sala de aula o que há de melhor em boas práticas educacionais na Ibero-América”, afirma o diretor da OEI. Para Callou, isso é possível por meio de projetos que estimulem a percepção e o reconhecimento das diferenças e ao mesmo tempo desenvolvam a compreensão de metodologias e currículos que contribuam para melhorar as práticas docentes em sala de aula, especialmente na América Latina.