Projeto de diplomacia da União Europeia na América Latina terá mais dois anos e chegará também ao Chile e Uruguai
Projeto de diplomacia da União Europeia na América Latina terá mais dois anos e chegará também ao Chile e Uruguai

Projeto de diplomacia da União Europeia na América Latina terá mais dois anos e chegará também ao Chile e Uruguai

OEI. 08/01/2018
Tamanho do texto+-

O projeto “EU Policy and Outreach Partnership -- Brazil and South America” terá mais dois anos de duração, duplicando assim o orçamento previsto inicialmente. Em execução desde agosto de 2016 no Brasil, na Argentina, na Colômbia e no Peru, a iniciativa também se estenderá ao Chile e ao Uruguai até 2019. A prolongação do contrato de serviços foi assinada no dia 5 de dezembro pela União Europeia (UE) e a Organização de Estados Ibero-americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura (OEI).


Criado para apoiar a política exterior da União Europeia, o projeto tem dois grandes objetivos: 1) melhorar a compreensão do projeto europeu, seus princípios e políticas entre os cidadãos dos países membros, e 2) aprofundar o compromisso da UE com os futuros líderes e pessoas influentes em âmbitos políticos fundamentais, assim como promover a aprendizagem e fomentar a confiança entre os cidadãos.

Seus principais destinatários são os diplomatas, funcionários públicos, políticos e executivos de instituições empresariais, entre outros coletivos influentes, como os acadêmicos. Nesta segunda etapa, além desses interlocutores, a intenção é colocar o foco na geração seguinte: os estudantes de relações internacionais, direito, economia e jornalismo, considerados elementos-chave para a consolidação das relações entre a União Europeia e a América Latina a longo prazo.

Todos os componentes e atividades do projeto giram em torno de temas e discursos de importância estratégica para as relações entre as duas regiões. Os “road shows”, por exemplo, consistem em apresentações itinerantes em que embaixadores da UE e funcionários de alto nível interagem com determinados públicos, trocando ideias sobre os valores e as políticas da UE. Outro componente-chave é o desenvolvimento de uma rede de “think tanks” da América Latina e da UE no Brasil e no Peru, que ajudaria a dar ideias das tendências na elaboração de políticas dos países.

Já as capacitações para diplomatas e executivos dos países envolvidos no projeto incluem desde temas gerais relativos ao funcionamento da UE – as instituições, a história de sua integração, a tomada de decisões e a política exterior, sobretudo com a América Latina – até assuntos de áreas específicas, tanto de âmbito econômico (energia, comércio europeu, mercado interior, fundos de investimento) como social (o entorno da UE, as migrações, a agenda digital).