Programa de mobilidade da OEI enviará dois estudantes da UFPE a instituições no exterior
Programa de mobilidade da OEI enviará dois estudantes da UFPE a instituições no exterior
Diretor Raphael Callou recebe no escritório da OEI, em Brasília, os dirigentes da UFPE, reitor Anísio Brasileiro (à esquerda) e o pró-reitor Thiago Galvão (à direita)

Programa de mobilidade da OEI enviará dois estudantes da UFPE a instituições no exterior

OEI. 16/05/2018
Tamanho do texto+-

Dois estudantes da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) farão intercâmbio no exterior no próximo semestre deste ano. A experiência fora do país será proporcionada por meio do Programa Paulo Freire. A iniciativa de mobilidade acadêmica internacional é coordenada pela Organização dos Estados Ibero-americanos (OEI) em parceria com o Ministério da Educação e este ano contemplará estudantes de graduação em licenciatura de 13 instituições de ensino superior públicas brasileiras.

Nesta quarta-feira, 16, o reitor Anísio Brasileiro e o pró-reitor Thiago Galvão, da UFPE, reuniram-se, em Brasília, como o diretor do escritório da OEI, Raphael Callou. Os dirigentes trataram com o diretor da OEI sobre os próximos passos do processo de adesão ao Paulo Freire.

“A expectativa é que a UFPE defina em breve os estudantes e os países para onde embarcarão dentro da mobilidade prevista no Programa”, explica Raphael Callou. Os dirigentes da universidade pernambucana também devem começar agora as tratativas para acolher estudantes estrangeiros, conforme prevê o intercâmbio.

Além dos dois estudantes da UFPE, está previsto para o segundo semestre a ida de mais 12 universitários para instituições superiores fora do Brasil. Cinco deles irão para o Chile e dois para a Costa Rica. As outras cinco vagas estão distribuídas em universidades da Argentina, Paraguai e Colômbia, além de Cuba e México.

O Brasil por sua vez vai receber cinco universitários mexicanos e um colombiano. Há também a previsão de que mais cinco colombianos tenham a oportunidade de participar do Paulo Freire ainda em 2018.

No momento duas universitárias brasileiras puderam viajar pelo programa para experiência acadêmica fora, uma encontra-se na Costa Rica e outra no Peru.

O Programa Paulo Freire funciona por adesão das instituições de ensino superior públicas. Teve início em 2016 com a recepção de oito universitários mexicanos para uma imersão de dois meses. Quatro foram para a Universidade Federal do Amazonas (UFAM) e os outros quatro para a Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD).


Conheça o Programa Paulo Freire