Ciência

A cultura CTS+I (Ciência, Tecnologia, Sociedade e Inovação) começa a ser considerada como um campo de estudo adequado para os países ibero-americanos, nos quais se espera que a inovação melhore a qualidade de vida dos cidadãos e favoreça o crescimento econômico, promovendo ao mesmo tempo a sensibilidade e envolvimento cidadão nesse processo junto com a compreensão pública de suas incertezas, desafios, riscos e benefícios. Trata-se de atuar em duas frentes de caráter complementar; por um lado, fomentando o desenvolvimento da sociedade da informação e do conhecimento, com base na inovação tecnológica, e, por outro, incrementando a cultura científica da sociedade de maneira que permita lograr o apoio cidadão como condição de progresso e sustentabilidade.

Eixo programático 1: Ciência e Sociedade

Na região ibero-americana, os indicadores de recursos humanos disponíveis para as atividades de ciência e tecnologia mostram insuficiências em comparação com países de maior desenvolvimento econômico. Por isso, além de aumentar a cultura científica dos cidadãos ibero-americanos, se devem promover as vocações em direção à ciência e à tecnologia para que a Ibero-América possa garantir as possibilidades de incrementar seu desenvolvimento socioeconômico. É preciso fomentar o interesse nos jovens pela ciência, dando a cada aluno os conhecimentos básicos para formar uma cidadania participativa no terreno científico. O ensino da ciência e da tecnologia, crucial para o futuro desenvolvimento dos países, deve, portanto, basear-se em duas linhas importantes e complementares: educar para inovar e educar para participar.

Linha de cooperação 1: Estudos sociais da ciência, da tecnologia e da inovação (CTS+I)

Sua finalidade é potencializar e consolidar redes acadêmicas interdisciplinares (cátedras CTS+I), concebidas como espaços de promoção, investigação e desenvolvimento de ações formativas sobre estudos sociais da ciência. Colocar-se-á em funcionamento a rede ibero-americana de cátedras CTS+I, com sub-redes temáticas centradas em projetos e linhas de trabalho transversal vinculados a aspectos tais como indicadores de cultura científica e participação cidadã, assim como ciência, tecnologia e gênero.

De forma complementar, continuar-se-á com as iniciativas de difusão e sensibilização sobre impactos sociais da ciência, através de diversas linhas editoriais, assessorias especializadas e capacitação de técnicos.

Linha de cooperação 2: Ciência, tecnologia e participação pública

O propósito desta linha é avançar na diversificação e consolidação das ações formativas - e de assistência técnica especializada - dirigidas a docentes, por sua vez, sua ampliação focalizada em outros tipos de grupos (investigadores universitários, jornalistas e administradores de ciência e tecnologia). A partir da experiência do período passado - e a demanda concreta dos países - realizar-se-ão assessorias específicas orientadas à reforma curricular e ao ensino das disciplinas científicas.

Aprofundar-se-ão e ampliar-se-ão, também, as redes e os canais estabelecidos para a difusão de conhecimentos científicos e tecnológicos a partir da generalização do enfoque CTS+I.

Eixo programático 2: Inovação Tecnológica e Políticas Públicas

As sociedades ibero-americanas vêm demandando mudanças no papel tradicional dos Organismos Nacionais de Ciência e Tecnologia (ONCYT), muito vinculados nas décadas precedentes à investigação básica, para que se transformem na engrenagem sobre a qual os diferentes atores dos sistemas de inovação possam articular-se. A atualização permanente e o fomento da cultura de cooperação nestes organismos continuarão sendo prioridade na atividade programática da OEI, como mecanismos de fortalecimento das administrações públicas.

Linha de cooperação 3: Fortalecimento dos sistemas de inovação

Seu objetivo é contribuir ao fortalecimento do rol das instituições públicas, enquanto mecanismo central de coordenação entre os diversos atores vinculados aos processos de inovação, com a finalidade de apoiar o desenho e, no caso, a consolidação de sistemas nacionais de inovação.

A heterogeneidade dos públicos aos quais se dirige esta ação de cooperação aconselha seguir estratégias diferentes, mas integradas: formação e atualização de técnicos, no caso dos Organismos Nacionais de Ciência e Tecnologia (ONCYT), fortalecimento dos mecanismos de interface universidade-empresa, promoção da demanda e sensibilização pública na sociedade.

Linha de cooperação 4: Fortalecimento das administrações públicas nos processos de modernização tecnológica

O propósito desta linha é contribuir ao fortalecimento das administrações públicas nos processos de modernização tecnológica e na utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação (TIC). Para isto, desenhar-se-á e colocar-se-á em andamento um sistema estável de formação especializada - através de mecanismos semipresenciais - de gerentes e técnicos das administrações públicas dos países ibero-americanos, especialmente de funcionários responsáveis pelos processos de introdução das TIC.

Em particular, propiciar-se-á a capacitação e a atualização dos grupos de gerentes públicos diretamente relacionados com o desenvolvimento da Sociedade da Informação, sobre a base da apresentação e discussão de modelos, materiais, métodos conceitos e práticas relevantes para a efetiva incorporação das TIC às estratégias de desenvolvimento de cada país.